Sobre a Microcefalia: eu sei bem o que é!

36ef111bc4bac70ad94a703ab9b39b01

Recentemente, o Ministério da Saúde declarou estado de emergência em saúde pública no país devido o aumento de casos de microcefalia no Nordeste. Esse aumento parece estar associado ao Zika Virus. Um vírus que é transmitido pelo mesmo mosquito que transmite a dengue, o aedes aegypti.

Contudo, eu por possuir a Microcefalia me vejo na obrigação de informar aos futuros pais que este não é o fim do mundo. Existem casos, como o meu, que um procedimento cirúrgico e um profissional da área da neurocirurgia acompanhando por algum tempo a criança, a mesma pode levar uma vida normal. Ou seja, estudar, brincar e se desenvolver como qualquer outra pessoa no mundo.

Um exemplo disso é esta que vos tecla. Nasci com Microcefalia e os médicos só sabiam dizer que eu não andaria, falaria e até viria a falecer com o tempo. Porém, para minha sorte apareceu no meu caminho um neurocirurgião chamado Janivaldo Nunes Lacerda . Ele, conhecendo a Microcefalia, deu a mim a chance de ser o que sou hoje, com apenas uma solução: um procedimento cirúrgico o qual fui submetida com nove dias de nascido. É um procedimento delicado, mas que pode dar a criança a oportunidade de ser ‘normal’, nos dizeres da sociedade. Contudo, tal procedimento deve ser feito o quanto antes e claro só depois de exames como o encefalograma e a Tomografia atestarem que o cérebro no fechamento precoce do crânio durante a gestação não sofreu danos maiores.

Esta cirurgia a qual fiz concerne em retirar parte da estrutura óssea do crânio ( no meu caso foi da fronte), para que durante a vida do individuo o cérebro desenvolva naturalmente.  Ou seja, um dos poucos cuidados que a criança devera ter é quanto a quedas ou batidas no lugar onde não haver esta proteção óssea. Fora isso, nada tão assustador quanto o que falaram para os meus pais na época ou que falam por aí nos veículos de imprensa.

Mas não os culpo. A microcefalia apesar de não ser de hoje ainda é muito estigmatizada. O nome assusta e a falta de informação e pesquisa do assunto torna quase impossível vir a conhecimento público casos de pessoas que como o meu e de tantos outros que já conheci em um grupo no facebook , levam a vida extremamente normal.

Portanto, fica aqui a informação do que é realmente a microcefalia de alguém que nasceu com ela.

Primeiro de tudo que não é uma doença e sim uma má formação do crânio que se fecha precocemente, fazendo com que a criança nasça sem a moleira, o  que nada mais é que um espaço no crânio para que o cérebro termine seu desenvolvimento fechando se no decorrer da vida.

A microcefalia pode ser classificada como sendo primária quando os ossos do crânio se fecham durante a gestação, até os 7 meses de gravidez, o que ocasiona mais complicações durante a vida, ou secundária, quando os ossos se fecham na fase final da gravidez ou após o nascimento do bebê.

Logo, desmitifico a segunda informação que rola: Microcefalia nada tem a ver com o tamanho do cérebro, mas sim é o tamanho do crânio que é inferior. Desta forma, pode ou não, a criança nascer com danos. Mas isto só será atestado com certeza após o nascimento com a realização de exames pedidos por um neurologista ou neurocirurgião.

Desta forma, deixo aqui essas informações e um pouco da minha história.

Nem tudo esta perdido. O segredo é ter fé, acreditar e ir a luta para saber o máximo possível sobre e não se contentar com um primeiro diagnostico.

1392070_219957298171545_1615954194_n

1382357_219957208171554_299905697_n

Nessas duas fotos sou eu. Se prestarem atenção, na parte frontal ( testa) constatarão um cicatriz. Tal cicatriz se deu na tentativa da colocação de uma prótese e que acabou sendo rejeitada pelo organismo

É isso! Espero ter ajudado a esclarecer algumas coisas sobre a Microcefalia e ter deixado claro que em toda regra há exceção e nem tudo é o que parece ser. Sou a prova viva disso.

Beijos.

Anúncios